Cérebro de Pedro Neto parou e sua morte é confirmada pelo HRC onze dias após ser agredido

Estupidez no trânsito

Pedro Neto foi agredido a socos na madrugada do dia 12 de agosto em Juazeiro (Foto: Reprodução/Redes sociais)

O exame de eletro encefalograma que faltava para confirmar ou não a paralisação da atividade cerebral do jovem Pedro Ribeiro da Costa Neto, de 32 anos, foi feito na noite desta quarta-feira com o resultado que a família não queria: o cérebro de Pedro Neto parou. Hoje pela manhã a família foi comunicada oficialmente pelo setor de assistência social do Hospital Regional do Cariri (HRC). Ele estava internado desde a madrugada do dia 12 de agosto após ser espancado pelo bancário Raimundo Maciel Lopes Neto.

O motivo foi uma discussão no trânsito e o acusado, que trabalhava na agência do Banco do Brasil de Araripe, está foragido. No hospital, o protocolo de diagnóstico de morte cerebral foi fechado e a família decidiu pela doação dos órgãos de Pedro Neto que era uma vontade manifestada por ele. A equipe vai avaliar se órgãos como fígado, rins, coração e córnea atendem as necessidades para transplantes e a central já foi devidamente comunicada em Fortaleza.

Uma aeronave virá de nossa capital para recolher o que for captado e, somente depois, os equipamentos vão ser desligados. Posteriormente, o corpo de Pedro Neto será levado para necropsia na Perícia Forense de Juazeiro e entregue à família para providenciar o velório e sepultamento. Sua morte cerebral foi confirmada onze dias após uma discussão no trânsito quando teve o seu carro perseguido por outro, cujo motorista Raimundo Maciel o agrediu no momento em que Pedro parou no semáforo.

A vítima trabalhava como supervisor de vendas da TIM e morava na Avenida Leandro Bezerra, 272 (Bairro do Socorro), onde possuía um comércio em sociedade com sua mãe Edenia Bezerra, de 60 anos. No momento da agressão, Pedro Neto se fazia acompanhar da namorada e já foi socorrido ao HRC com quadro de parada cardiorrespiratória desde que levou o primeiro soco. Mesmo assim, o agressor continuou espancando a vítima mesmo estando desmaiada ao volante do carro.

Este foi o segundo homicídio de agosto em Juazeiro e o 57º do ano no município. O outro deste mês aconteceu no dia 6 com o assassinato a tiros na cabeça do motorista de uber, Walker Rocha Amaral, de 38 anos, o “Maranhão”. O corpo foi encontrado no quarto de sua casa na Rua Leonardo da Silva Fontes (Frei Damião) e, após a necropsia na Pefoce de Juazeiro, foi trasladado para o sepultamento no cemitério de Coelho Neto (MA).

Fonte Site Miséria
Texto Demontier Tenório

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu celular ou computador, inscreva-se agora.