Fãs de K-pop, brasileiras são atraídas à Coreia do Sul e forçadas à prostituição

Cinco foram presos

Letreiro com o nome da cidade em Seul, na Coreia do Sul (Foto: Reprodução)

Sete brasileiras com idades entre 20 e 30 anos foram forçadas à prostituição na Coreia do Sul após serem atraídas ao país do K-pop sob o pretexto de entrarem na indústria musical. Cinco criminosos envolvidos no caso foram presos por tráfico de mulheres, informou a delegacia de polícia de Ilsan Dongbu, na província de Gyeonggi, na última sexta-feira.

De acordo com o jornal sul-coreano “The Asia Business Daily”, as promessas falsas dos golpistas foram feitas por meio de redes sociais em julho. Eles enviaram passagens aéreas para as vítimas, dizendo que elas não precisariam arcar com os custos. “Vou te transformar numa celebridade”, afirmava uma das mensagens.

No entanto, ao chegarem no país no dia 8 do último mês, as mulheres tiveram seus passaportes retidos e foram aprisionadas em alojamentos na cidade de Paju, também na província de Gyeonggi, onde elas foram forçadas a se prostituírem e pagarem as passagens.

O cárcere privado durou até o último dia 17, quando a Embaixada do Brasil recebeu uma denúncia e acionou a polícia local, que resgatou as sete brasileiras e prendeu cinco criminosos. As vítimas estão sob proteção do Estado em abrigos para imigrantes.

Por meio de nota, o Itamaraty informou que a embaixada brasileira em Seul “está acompanhando os casos”.

Em março deste ano, um escândalo sexual abalou a indústria do entretenimento na Coreia do Sul. O cantor Lee Seung-hyun, também chamado pelo nome artístico Seungri, havia sido acusado de pagar prostitutas para empresários estrangeiros a fim de obter investimentos em seus negócios, sendo considerado suspeito de um delito conhecido como “suborno sexual”.

Fonte Extra Site Miséria

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu celular ou computador, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Saiba mais