Médica missãovelhense morre após ser atropelada em Fortaleza

Biografia

Acidente ocorreu na tarde desta quinta-feira (20), no Bairro Meireles. — Foto: Paulo Sadat

A médica cardiologista Lucia de Sousa Bélem, 61 anos,  morreu após ser atropelada na tarde desta quinta-feira (21) no cruzamento da Avenida Dom Luiz com a Rua Coronel Jucá, no Bairro Meireles, área nobre de Fortaleza. Esta é natural da cidade de Missão Velha, onde ainda reside a sua família, mas, devido ao seu trabalho, morava na capital cearense.

Em conversa com Bosco André, historiador missãovelhense, este lamentou a morte prematura da amiga Lúcia Belém e lembrou dos seus irmãos que têm o mesmo nome dos pastorinhos que viram Nossa Senhora de Fátima: Jacinta, Lúcia e Francisco. Finalizou dizendo que era uma médica muito competente e esforçada.

Testemunhas informaram que a profissional de saúde atravessava a avenida, na faixa de pedestre, em direção ao estacionamento onde estava o seu carro. Em seguida, uma motorista de um veículo Range Rover Evoque, fez uma conversão à esquerda, entrando na rua, e atingiu a médica, que morreu no local.

Médica morreu atropelada ao atravessar rua em faixa de pedestre em Fortaleza. — Foto: Arquivo pessoal

Após o acidente, a motorista permaneceu no local para prestar esclarecimentos à Polícia Militar. Equipes da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) estiveram no ponto do acidente, auxiliando no trânsito.

 

Biografia

Lúcia de Sousa Belém, filha de Camilo Belém (in memoriam) e Maria de Sousa Belém (Marica), nasceu em Missão Velha, em 19 de outubro de 1959. Estudou no antigo Ginásio Paroquial da referida cidade, onde concluiu o ensino fundamental. Com enorme incentivo da sua saudosa tia Maria D’jane, que acolheu muitos missaovelhenses em seu conhecido pensionato para estudantes na capital Fortaleza, concluiu o ensino médio. Conseguiu êxito no vestibular de Medicina da concorrida Universidade Federal do Ceará. Especializou-se em Cardiologia, e tinha como principal mister o excelentíssimo trabalho no Hospital do Coração de Messejana desde de 1992.

Dedicou a sua vida à sua profissão, sempre buscando uma medicina de excelência e, principalmente, uma medicina igualitária, voltada para todos, em especial aos mais necessitados. Contribuiu para o avanço da medicina no estado do Ceará e, por isso, foi reconhecida por todos os profissionais do meio médico como profissional exemplar e altruísta. Porto seguro de toda sua família e amigos, não media esforços para ajudar e amenizar os problemas de todos.

Dr. George Fechine, vereador, advogado e primo da médica, muito consternado com o trágico acontecido, declarou que “infelizmente, nesta tarde do dia 21 de janeiro de 2021, ao se direcionar ao seu consultório para realizar a sua maior paixão: ajudar o próximo através de sua vocação profissional, nos deixou e foi realizar o seu trabalho do bem junto de Deus”.

 

Nota de pesar

O Sindicato dos Médicos do Ceará publicou nota de pesar pelo falecimento da médica. “Expressamos nossos sentimentos de condolências e solidariedade aos familiares, amigos e admiradores que a estimam e partilham a dor pela sua partida”, afirma a nota.

A Secretaria da Saúde do Estado (Sesa) também divulgou nota de pesar sobre o falecimento. Segundo a pasta, a cardiologista trabalhava desde 1992 no Hospital de Messejana – a Unidade Clínico-Coronariana recebe o nome da médica. Também trabalhou em outros hospitais da rede estadual. “Sua dedicação ao serviço público e o espírito solidário deixarão saudades nos colegas”, ressalta a Sesa.

“Doutora Lúcia participou da formação de gerações de médicos e sempre será exemplo na incansável luta de dar aos cidadãos acesso ao sistema de saúde. Neste momento de dor, todos os profissionais que fazem a Secretaria da Saúde do Ceará se solidarizam com familiares e amigos”, finaliza a pasta estadual.




Fonte MV MAIS
Texto Antonio Alexandre Fábio Augusto
você pode gostar também

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Saiba mais