Lama, Café, Petróleo… Esse é o nome dado a água que atualmente sai das torneiras dos missãovelhenses

Revolta

Foto compartilhada em redes sócias

Já faz um tempo que os missãovelhenses vem sofrendo com o serviço prestado pela  empresa responsável no abastecimento de água do município. Recentemente, a CAGECE vem entregando uma água com uma tonalidade escura ou amarelada, colocando em dúvida a qualidade da água.

A CAGECE vem fornecendo uma água que não dá para ser consumida, em alguns pontos a água não serve nem para uso doméstico por conta da má qualidade, o liquido tem uma tonalidade bem escura e contém pequenas partículas que mais parece ferrugem, alguns classificam como Lama ou Café.

Esse assunto não é novo, tanto que em 2015 foi realizado uma reunião pública para tentar resolver o mesmo problema, na reunião compareceram diversas lideranças políticas e secretários da época, menos um representante da CAGECE, que segundo a ata da reunião o mesmo teria sido convidado.

O problema não ocorre em toda cidade, os bairros mais afetados são Gildo Brandão, Casemiro Farias, Terra Nova, Loteamento Gran Ville, Loteamento Sagrada Família e Centro, que revoltados com a má qualidade da água e a falta de esclarecimentos por parte da empresa decidiram fazer denúncias em redes sociais, portais de notícias e rádios da região.

O poder legislativo ao tomar conhecimento do problema fez denúncia formal ao escritório local e regional, DECOM e ao Ministério Público. Na última sessão, realizada em 16 de maio, os vereadores abordaram esse tema e discutiram entre si, a respeito da má qualidade no abastecimento da água fornecida pela CAGECE.

 

 

O possível problema

O Presidente da Câmara Rafael Moreira, no uso da palavra, disse ter recebido uma ligação do Diretor de Unidade de Negócios do Interior, Helder dos Santos Cortez.

“Falei com Helder, e já fiz essas reclamações, ele disse que missão Velha precisa de um novo poço, não há mais condições do poço do Casemiro Farias ser utilizado, aquele poço é inviável para o povo de Missão Velha porque é o que concentra Ferro e Manganês e não adiantaria trocar a tubulação da cidade”.

Sobre o Ferro e Manganês na Água

“O excesso de ferro e manganês na água deixa pia e privada amareladas; provoca mau cheiro no banheiro; mancha tecidos, roupas, utensílios sanitários; deixa sabor metálico na água, comida e bebidas como café e chá; propicia a proliferação de bactérias nocivas.  O manganês é considerado tóxico e está na lista de metais pesados. Os acúmulos deste material no corpo humano, devido a ingestão de água com níveis excessivos, podem causar graves problemas de saúde, visto que prejudica o fígado e o sistema nervoso central provocando sintomas como rigidez muscular, tremores das mãos e fraqueza. Em animais, o excesso de manganês provoca alterações no cérebro e pode levar a impotência. Já a abundância de ferro é armazenada em órgãos como fígado, coração e pâncreas, onde passa longos períodos despercebido até ocasionar doenças hepáticas graves que só pode ser curada logo no início dos sintomas, infelizmente isso não acontece na maioria das vezes. Grandes quantidades de ferro no organismo também podem piorar os efeitos do mau colesterol e aumentar os riscos de doenças cardíacas. ” Fonte – Terra.

 

Contrato do município com a CAGECE

O contrato foi aprovado pelos  vereadores e assinado pelo prefeito da época, e foi aprovado em 29 de novembro de 2005 tendo duração de 30 anos. No contrato fica bem claro que a empresa tem exclusividade em realizar e explorar os serviços de abastecimento de água dentro do município, ou seja, enquanto o contrato estiver em vigor, nenhuma outra empresa pode fornecer água às torneiras dos missãovelhenses.

Obtivemos acesso a esse referido contrato, onde pudemos perceber alguns pontos em que não estão sendo levados em conta, por exemplo;

“A CAGECE obriga-se a oferecer prestação adequada dos serviços outorgados, garantindo níveis satisfatórios de regularidade, continuidade, eficiência, segurança, atualidade, generalidade, cortesia na prestação e modicidade das tarifas. ” – Cláusula 3ª > Subcláusula 3ª.

 

Se caso o município estiver pensando em cancelar o contrato com a empresa;

“ A extinção da concessão em qualquer das hipóteses previstas nesta clausula, operar-se-á com a entrega ao município de todos os bens reversíveis relativos aos serviços outorgados, devendo ser a CAGECE previamente e integralmente indenizada pelo o valor dos investimentos realizados, considerada a depreciação sofrida pelos os mesmo no decorrer da exploração dos serviços outorgados, corrigidos monetariamente por índices oficiais de correção monetária de balanço vigentes à época da rescisão, deduzindo-se por ocasião do acerto de contas, o valor correspondente à eventual parcela de contribuição do município.” – Cláusula 11ª > Subcláusula 1ª

“A fiscalização poderá exigir da CAGECE o cancelamento imediato de qualquer contrato por ela celebrado, quando verificar que dele possam resultar danos aos serviços concedidos, ou tratamento diferenciado aos usuários que se encontrem na mesma situação ou classe de atendimento. ” – Cláusula 11ª > Subcláusula 6ª

 

Enquanto isso…

Na ultima sessão (16/05) os vereadores solicitaram que a população coletasse a água de má qualidade e deixasse na câmara para que seja mostrada ao diretor de Unidade de Negócios do Interior, Helder dos Santos Cortez.

Até o momento a empresa não emitiu nenhuma nota contendo informações detalhadas sobre o problema.

No dia 15 de maio a empresa divulgou um comunicado informando que o abastecimento da cidade de Missão Velha iria ser suspenso para uma manutenção no dia 17 as 5h, mas, que o abastecimento iria voltar as 22h do mesmo dia.  Até o fechamento desta matéria ainda não tínhamos água nas torneiras (Bairro Casemiro Farias dia 19/05 as 15:20).

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu celular ou computador, inscreva-se agora.