Fim do auxílio emergencial promete piorar crescimento econômico e tirar R$ 112,6 bi dos mais pobres

Foto: Google Imagens

No Norte e Nordeste, as cinco primeiro parcelas do benefício pago pelo governo contribuíram com uma alta média de 6.5% do PIB

Em setembro, com o corte do benefício pelo governo de R$ 600 a R$ 300, a pobreza aumentou no país com cerca de 11,6 milhões de brasileiros.

Somente na região Sudeste, R$ 112,6 bilhões vão deixar de entrar no bolso de 26,4 milhões de brasileiros de baixa renda.

Além disso, o crescimento econômico do país vai piorar.

Com 4 em cada 10 brasileiros em idade de trabalho recebendo o benefício, a geração de riqueza durante o pagamento das cinco primeiro parcelas levou a uma alta de, em média, 6.5% nos estados do Norte e Nordeste.

Os dados são da Folha de S.Paulo.




Fonte Brasil247

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu celular ou computador, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Saiba mais