Após relatório, 19 policiais são denunciados por 14 mortes na tragédia de Milagres

Aceitação da Justiça

Fachada do Banco do Brasil, onde ocorreu troca de tiros entre polícia e suspeitos (Foto: Alana Soares )

O relatório policial que investigou a atuação de policiais em Milagres na operação que deixou 14 mortos no ano passado foi acolhido pelo Ministério Público do Estado.A denúncia assume que todos foram mortos pelos militares, mas difere os motivos: oitos homens suspeitos do assalto teriam sido mortos “em legitima defesa”, dois executados e cincos reféns mortos sem intenção direta. As informações são do Diário do Nordeste

Os policiais José Azevedo Costa Neto, Edson Nascimento do Carmo e Paulo Roberto Silva dos Anjos são denunciados diretamente pelas mortes dos reféns Cícero e Gustavo Tenório, Claudineide Campos (pai, filho e mãe, respectivamente) e João Batista e Vinícius Magalhães (pai e filho).

Todos os reféns foram mortos pela PM com tiros de fuzil. Também confirmamos, ainda em dezembro, que policiais agiram na intenção de apagar imagens de câmeras. Foram denunciadas, no total, 20 pessoas, sendo 15 militares por homicídio qualificado e quatro militares e um civil por fraude processual, pois houve alteração na cena do crime.

Entre os denunciados por fraude estão o tenente-coronel Cícero Henrique (ex-comandante do BPChoque), o vice-prefeito de Milagres, Abraão Sampaio e o tenente Georges Aubert, secretário de Segurança daquele município.

O MPCE interpretou como “legítima defesa” a ação que levou às mortes dos outros oito suspeitos de ataques a bancos. Embora a desastrosa operação que frustraria o roubo tenha envolvido diretamente 12 policiais do Gate, estes foram divididos em três equipes na madrugada.

Fonte Site Miséria
Texto Felipe Azevedo/Agência Miséria

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu celular ou computador, inscreva-se agora.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. AceitarSaiba mais