Padre suspeito de abusar de cinco crianças é preso em Santa Catarina

Vítimas entre 12 e 14 anos

(Foto: Shutterstock)

Um padre de 36 anos foi preso temporariamente na última sexta-feira (9), suspeito de abusar sexualmente de pelo menos cinco meninos, entre 12 e 14 anos, nas cidades de São Francisco do Sul e Joinville, no Norte do Estado. Ele foi preso na casa da mãe, no bairro Jardim Paraíso, em Joinville e encaminhado para a Unidade Prisional Avançada de São Francisco do Sul.

Conforme o delegado titular da Delegacia de Polícia de São Francisco do Sul, Marcel Araújo de Oliveira, as investigações iniciaram no final do mês de maio, após uma criança denunciar as atitudes do padre ao pai. Conforme Oliveira, o padre atuou durante cinco anos na Paróquia Santa Paulina, em São Francisco do Sul, e há dois meses estava atuando numa paróquia em Joinville. Lá ele mantinha um forte relacionamento e vínculos próximos com as famílias, até mesmo de dormir na casa de pessoas da comunidade.

O pai de uma das vítimas conta que frequentemente o padre jantava, almoçava e até dormia na casa dele e da família. “Nós acolhíamos ele sempre aqui. Tínhamos um respeito enorme por ele e confiávamos. Até estranhávamos às vezes, ele chegava não dava muita atenção a mim e à minha esposa, ia direto aos quartos, onde estavam os meninos”, conta um dos pais.

A mãe de uma vítima conta que também que o padre insistia muitas vezes para que ela deixasse o filho dormir na casa paroquial de vez em quando, mas segunda ela, a resistência dele e o medo sempre impediam que isso acontecesse, até que constrangida por dizer tantos “nãos” ao padre, ela acabou cedendo. “Enquanto eu ajudava o meu filho arrumar a sacola dele para ir dormir na casa paroquial disse a ele que jamais permitisse que alguém o tocasse e que ele podia confiar nos pais. Ele foi uma vez, tudo certo. Foi a segunda, tudo certo. Ele ganhou nossa confiança”, comenta.

Mesmo com a transferência do padre para Joinville, o vínculo com os meninos se manteve. “No final de semana do dia 19 de maio, ele convidou cinco meninos para dormir na nova casa paroquial, agora em Joinville. A partir daí um dos meninos relatou o pai durante uma das noites sobre o que estava acontecendo e pediu ajuda por WhatsApp. A partir dessa denúncia, fomos investigando e descobrindo os outros casos. Até agora pelo menos o crime de estupro de vulnerável já foi confirmado. Ainda não há nenhum indício de conjunção carnal”, comenta o delegado Oliveira.

O pai que denunciou o caso a Polícia diz que o filho foi com mais quatro meninos participar de um retiro espiritual na casa paroquial, convidados pelo padre. “Ele dormiram de sexta para sábado. De sábado para domingo e durante a noite de domingo para segunda, às 3 horas da madrugada comecei receber mensagens do meu filho, relatando que o padre tentou “judiar” dele e do amigo e que eu fosse buscar ele naquele momento, que estava trancado no banheiro, com medo. Sai desesperadamente buscar meu filho. Chegando lá, ele correu, me abraçou e chorou muito. Não quis chamar a Polícia nesse dia, queria evitar a exposição do meu filho e do amigo”, comentou o pai, que não quis se identificar também.

As famílias das vítimas relataram que não está sendo fácil lidar o assunto com os meninos e destacaram que o sentimento de revolta se tornou sentimento de justiça, que o padre cumpra seu papel pagando pelos crimes cometidos. “Que outras famílias e crianças que viveram essa situação que se sintam encorajadas a denunciar o crime também”, enfatiza o delegado Oliveira.

Fonte Estadão Conteúdo Site Miséria

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu celular ou computador, inscreva-se agora.