Facções brasileiras se unem ao narcoterrrorismo; ataques no Ceará tiveram “conexões transnacionais”

Agência brasileira de espionagem

Quadrilha comandada por políticos trazia cocaína da Bolívia (Foto: Thinkstock)

Na manhã de quinta-feira 3 de janeiro, o presidente, o ministro da Justiça e o governador do Ceará acordaram com alertas sobre ataques armados em Fortaleza e no interior do estado. Contaram-se 264 atentados em 55 dos 184 municípios, com prisão de 428 pessoas.

Passados seis meses, a agência brasileira de espionagem, Abin, confirmou “conexões transnacionais” nos atentados cearenses. Parte do armamento usado pelos grupos criminosos era do Exército do Peru. Veio de Pucallpa, capital da província peruana de Ucayali. “Viajou seis mil quilômetros”, contou João Lama, oficial da Abin a um grupo de parlamentares. “É como se tivesse ido do Irã a Lisboa, por toda a Europa”. A cidade fica a 220 quilômetros em linha reta da fronteira amazônica com Cruzeiro do Sul, no Acre, onde o número de novas empresas cresce 12% ao ano, na esteira do narcotráfico.

Peru é o maior produtor de cocaína, depois da Colômbia. Cidades como Pucallpa assistem ao avanço das plantações de coca em direção à fronteira com o Brasil. No centro-sul peruano identificou-se uma fusão de interesses de grupos brasileiros com máfias locais, remanescentes do Sendero Luminoso (ala Quispe Palomino) e uma fração paramilitar do libanês Hezbollah.

Desde 2001, o Hezbollah se tornou alvo preferencial do EUA na América do Sul. Em 2018 avançou-se no cerco aos operadores financeiros da Venezuela à Argentina. Descobriram-se múltiplos laços com grupos criminosos de São Paulo, de Manaus e do Rio. A prisão em Ipanema de um intermediário paulista, Elton Leonel Rumich (codinome Galant) ajudou no mapeamento de uma rede de lavagem com três mil pessoas. Desvelaram-se negócios em oito bancos brasileiros e paraguaios do clã Barakat e de Nader Mohamad Farhat, cuja mulher Wu Pei Yu usava passaporte brasileiro.

Por pressão americana, o Hezbollah começa a ser proscrito na América do Sul. Mês passado, a Argentina o classificou como terrorista. Ontem, foi a vez do Paraguai. Na sequência, será o Brasil.

Fonte Veja Site Miséria

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu celular ou computador, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Saiba mais