Brasil vai à Olimpíada graças a um centroavante formado no país dos sem centroavantes

3 x 0

Matheus Cunha comemora o gol contra a Argentina — Foto: Lucas Figueiredo / CB

Matheus Cunha foi a estrela do jogo contra a Argentina, que garantiu a passagem do Brasil para a Olimpíada de Tóquio. Foram dois gols e muita movimentação, para confundir a defesa adversária.

Há quanto tempo o Brasil não forma um centroavante? Virou o país dos sem centroavantes, mas só vai a Tóquio, por causa de um grande centroavante.

Matheus Cunha lembra Élber, mas tem a vantagem de ter sido goleador do Pré-Olímpico em que classificou a seleção brasileira, enquanto Élber disputou o Pré-Olímpico de 1992, em que o Brasil foi eliminado com uma derrota para a Venezuela.

Élber seguiu para o Milan, foi emprestado ao Grasshoppers, da Suíça, jogou no Stuttgart e foi campeão da Liga dos Campeões pelo Bayern.

Lá, ensinou os alemães a respeitarem centroavantes brasileiros. Depois de sua passagem, os alemães passaram a reverenciá-lo e também criaram jogadores especiais, como Lewandowski e, recentemente, Haaland.

Matheus Cunha é da mesma estirpe. Saiu de João Pessoa, onde nasceu, para brilhar no Coritiba e, de lá, para o Leipzig. Por causa da concorrência com Timo Werner, jogou poucas partidas.

Mas, quando jogou…. Que gol marcou contra o Bayer Leverkusen. Concorreu ao prêmio Puskas, pelo gol mais bonito do ano passado. Não ganhou.

Também, não é de fazer gols bonitos. Prefere os de oportunismo, como os dois contra a Argentina e ajudou o Brasil a chegar a Londres.

Resta agora ao Brasil ter paciência com Matheus Cunha. A mesma que não teve com Élber, que nunca fez sucesso pelo Brasil em Copas do Mundo.




Fonte G1 Site Miséria

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu celular ou computador, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Saiba mais